sábado, 7 de novembro de 2015

Empresário de Everton e Paulinho descarta ação contra o Flamengo


"O assunto punição está encerrado", afirma Carlos Leite, que representa os dois jogadores que treinaram normalmente neste sábado, no Ninho do Urubu

Os jogadores afastados pela diretoria na semana passada por terem participado de festa após o treino da manhã de terça - e que foram reintegrados nesta semana - querem dar um ponto final no assunto. Alan Patrick, Pará, Everton, Paulinho e Marcelo Cirino voltaram a treinar normalmente com o grupo, exceto o último, que se recupera de lesão no joelho direito e ainda não trabalha com o grupo. Alan e Pará serão titulares contra o Goiás neste domingo, no Maracanã. O quinteto, que também foi multado em 30% do salário, não pretende entrar com ação contra o Flamengo.

Em entrevista ao site do jornal "Extra" neste sábado, o advogado Alan Belaciano, que disse representar Everton, afirmou que a multa é ilegal e que caberia uma "bela ação de dano moral" contra o clube por parte dos jogadores. Segundo a reportagem, o quinteto pode ir à Justiça.
No entanto, em contato com o GloboEsporte.com, o empresário Carlos Leite, que representa Everton e Paulinho, descartou qualquer ação contra o Flamengo. Segundo ele, o advogado é responsável por uma ação antiga de Everton, mas hoje é sua equipe jurídica que resolve esse tipo de questão. 
- O assunto punição está encerrado. Everton e Paulinho não autorizaram nenhuma pessoa a falar em nome deles. Somente eu, Carlos Leite, estou autorizado a falar sobre esse episódio.

Embora haja uma cláusula nos contratos dos atletas que gere punições para comportamentos que denigram a imagem do clube, a simples aparição em um evento no momento de folga não configura tal infração, e a diretoria recebeu cartas formais de representantes dos atletas que questionavam o afastamento e a multa de 30% no próximo salário. Os jogadores foram avisados sobre a multa, mas até o momento não assinaram documento sobre a sanção.

A decisão de reintegrá-los foi uma defesa da diretoria do Flamengo e teve como protagonista o presidente Eduardo Bandeira de Mello, escaldado após anúncios de dispensas prematuros e sem consentimento do outro lado da questão, como aconteceu nos casos do meia Renato Abreu, em 2013, e do goleiro Felipe, em 2014. Ambos ocorreram durante a atual gestão.

Embora reconheçam o erro na festa fora de hora, os jogadores acreditam que a punição foi desproporcional. Mas não pretendem entrar na Justiça contra o Flamengo.
Empresário de Everton e Paulinho descarta ação contra o Flamengo
Paulinho disputa jogada no treino deste sábado no Ninho do Urubu (Foto: gilvan souza/flamengo)

Fonte: Globo Esporte

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários postados aqui, são de inteira responsabilidade dos leitores e não refletem a opinião do nosso Portal